Como Degustar Vinhos Franceses

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Escolher um bom vinho pode ser uma tarefa muito boa, mas também nos coloca diante de várias dúvidas. Afinal, como vamos degustar o vinho perfeito? Será preciso agradar apenas o paladar ou existem técnicas e elementos que devemos sempre observar?

Existem muitas maneiras de provar vinhos como verdadeiros degustadores. Abordar esta questão é, portanto, ir em direção a um universo muito vasto. Mas também é muito mais fácil do que parece. 

Se você gosta de degustar vinhos, tenha certeza de que o seu método deve ser o correto! Exceto, talvez, se você aprendeu a provar com algum sommelier ou especialista do ramo … De qualquer forma, não é necessário dominar todo o léxico do sommelier para encontrar as melhores opções. 

Tudo o que você precisa fazer é ter em mente algumas idéias que podem decodificar melhor um vinho. E, como em qualquer método, a experiência permitirá que você trace suas preferências. 

Nas próximas linhas, vamos dar algumas dicas que aprendemos na França, com o sommelier Adrien Garet. Embora o contexto seja francês, as dicas também valem para outros vinhos. 

Como degustar vinhos franceses

A degustação não diz respeito a tomar um pouco do vinho. Na verdade, vamos passar por diferentes sentidos do nosso corpo, até chegar em uma conclusão. 

A visão

A visão é o primeiro sentido aguçado pelo vinho. Inclusive, muitas das vezes é a visão quem dá início ao que chamamos de água na boca. 

O exame visual, na verdade, nos passa pouca informação. A vestimenta do vinho (ou seja, sua cor) pode indicar que um vinho está mais ou menos concentrado. Mas essa não é uma regra. 

Algumas variedades de uvas (como Grenache) podem ser menos tintas e gerarem vinhos encorpados. É apenas no contexto de uma prova às cegas que esta fase é realmente útil: pode dar uma indicação sobre a idade do vinho. Olhamos então, não a cor, mas os reflexos.

Para um vinho branco, nós examinamos os reflexos do disco, colocando o olho no copo. Um vinho branco tem, em primeiro lugar, reflexos verdes, depois prata, depois ouro e bronze. Um branco com reflexos prateados provavelmente será um vinho de um ou dois anos.

Para um vinho tinto, inclinamos o copo na frente de uma superfície branca e olhamos para o lado oposto. Os reflexos são tons de cereja ou framboesa, podendo evoluir em direção ao alaranjado. 

O olfato

O olfato é analisado em duas etapas: o primeiro e segundo olfatos. No primeiro, sentimos o vinho sem arejá-lo, ou seja, sem mover o copo. Geralmente, esse teste não é muito poderoso. Para dizer a verdade, é assim que identificamos os defeitos do vinho. Os aromas ainda não estão presentes. Logo, os defeitos “saltam no nariz”, como o famoso “sabor de cortiça”, também muito perceptível ao olfato.

O segundo olfato: agora sim, arejamos o vinho. Aí sim, (normalmente) ele se abre, aumentando os aromas em dez vezes. O vinho é um produto vivo que reage com a aeração. 

Se você não sentir nada, pode ser que o vinho ainda exija aeração (na garrafa ou na jarra). É interessante mexer o nariz no copo para detectar novos aromas. Podemos nos prestar ao jogo de reconhecimento de aromas. Mas reconhecer que um vinho cheira a flores não é essencial, longe disso. 

Alguns pontos a se levar em conta: os aromas não são adicionados pelo enólogo. Ou seja, um vinho que cheira a rosa não fermenta com pétalas. E, precisamente, podemos agrupar três famílias de aromas:

  • Os aromas primários da uva (um vinho feito com gewurztraminer, geralmente expressa aromas de rosa e lichia);
  • Aromas secundários: provêm da fermentação;
  • Aromas terciários: esses são os aromas provenientes da criação. Os vinhos foram envelhecidos em barris? Em barricas novas etc. Esses aromas são chamados de “empireumáticos”: é o toque de baunilha que pode ser encontrado nos vinhos.

O Paladar

Finalmente, chegamos na parte que é certamente a mais importante ao degustar vinhos. Antes de levar o vinho até os lábios, lembre-se de segurar a bebida pelo pé. Afinal, apertar o copo pode afetar aspectos como o local onde o vinho chega à nossa boca ou a temperatura. 

Nessa etapa, você pode até mesmo fazer barulhos e realmente encher a boca de vinho e ar. Isso porque sabemos que os sensores de acidez, doçura e amargor não ficam nos mesmos locais da boca. 

Por fim, prestaremos atenção especial às três fases:

  • O ataque: notamos principalmente a força do vinho: é fraco, forte, flexível…
  • O palato médio: é quando os sabores do palato se desdobram, a acidez para os brancos e os taninos para os vermelhos. Podemos analisar neste momento a textura do vinho.
  • O final: para quais sabores o vinho evolui? E, acima de tudo, quanto tempo o vinho persiste na boca?

Neste cenário, um bom vinho é aquele capaz de evoluir na boca e o sabor persistir, mesmo depois que for engolido. Aliás, vale lembrar que, em geral, o vinho de uma degustação não é engolido, mas sim cuspido. 

Viu só como degustar vinhos não é um grande mistério? Claro que tudo vai depender do contexto, mas com essas dicas você já pode se aventurar pelos rótulos franceses. Afinal, a França é conhecida por fazer bons vinhos. 

Por falar nisso, você sabia que existe uma festa nacional para o mundo conhecer a primeira safra de vinho do ano? Clique aqui para descobrir! 

Posts Relacionados