Minas Gerais

Estrada Real de bike – Caminho dos Diamantes

Estrada Real
Escrito por Antonio JR

Caminho dos Diamantes – Estrada Real de bike

Update: Essa travessia no Caminho dos Diamantes ocorreu em junho de 2015. Esse relato destaca todo o trajeto desse itinerário pois foi antes do desastre ambiental de Mariana acontecer. Atualmente não é possível fazer esse trajeto do primeiro dia que inclusive passar por Camargos e Bento Rodrigues.

– –

O desejo de fazer uma parte da Estrada Real esteve comigo desde sua criação como roteiro turístico. Primeiramente pensei em fazer de carro mas nunca cheguei a colocá-lo na estrada. Depois de voltar do Caminho de Santiago me peguei pensando e planejando como eu podia fazê-lo de bicicleta e quantos dias gastaria.

Conversei e convidei alguns amigos, animamos e me organizei primeiramente pra fazer um trecho saindo da Serra do Cipó até chegar em Diamantina. Tudo certo, combinado e definido. As etapas já estavam descritas conforme a experiência de um amigo que já havia realizado esse mesma aventura alguns anos antes.

Faríamos em 3 dias os aproximadamente 200 quilômetros que fazem parte desse itinerário.

Algo não me deixava satisfeito com o plano. Queria algo maior e optei por desbravar o Caminho dos Diamantes inteiro, saindo de Ouro Preto e chegando à Diamantina. Tudo já estava acertado e a saída de Cipó estava prevista para quinta-feira. No domingo anterior, resolvi partir na segunda feira para minha nova aventura.

Esse meu desafio me trouxe muito aprendizado. Mudar tudo em cima da hora quase botou tudo por água abaixo. Deixei que a vontade de fazer um trajeto maior pelas montanhas de Minas Gerais sobressaísse à racionalidade do plano inicial. Um bom planejamento é um dos pontos fortes de toda conquista.

Dia 1 – Ouro Preto à Santa Rita Durão

Ouro Preto – Mariana (11km) – Camargos (18km) – Santa Rita Dura (15,6km)

Total do Percurso: 44,6km

Logo no primeiro dia um problema que quase encerraria ali a travessia. Talvez um prelúdio de que outras coisas também pudessem acontecer, como aconteceram. A saída logo no início da manhã de Outro Preto ficou comprometida e ao meio dia eu ainda não havia chegado lá. Não sabia ao certo onde eu dormiria naquele dia. Minha ansiedade era colocar a mochila nas costas e sair pedalando. Meu único compromisso era estar na quinta-feira encontrando com meus amigos em Conceição do Mato Dentro.

Meus amigos seguiram o planejado inicialmente. Saíram na quinta-feira bem cedo de Cardeal Mota, Serra do Cipó.

Comecei meu pedal e rapidamente já estava em Mariana. Simples e rápido. Quem faz o trajeto nesse sentido pega inicialmente uma grande descida em asfalto. Mariana, assim como Ouro Preto são belas cidades históricas mineiras que merecem um tempo dedicado somente a elas. Elas possuem algumas atrações interessantes e são importantes cidades na história de Minas Gerais.

A saída de Mariana para pegar a estrada real é confusa. Após 2,5 quilômetros da estação ferroviária você deve sair da BR 129 e neste local recomendo perguntar onde é a garagem da Valetur, que é por onde você deve passar. Este início do Caminho dos Diamantes passa por algumas áreas de mineração que não chama muito a atenção. Não é bonito e você consegue ver in loco todo o estrago que uma mineração provoca ao meio ambiente. O sol castigava nessa tarde e tudo indicava que cairia uma chuva no final do dia. Nem cogitei essa ideia!

A primeira vila que cruzei no caminho foi Camargos, um pequeno vilarejo do início do século XVII (ano de 1711). Parei para descansar rapidamente e para não perder mais tempo naquele dia, em cinco minutos segui pedalando.

Depois de Camargos o caminho fica mais interessante e bonito. Antes de Bento Rodrigues um marco posicionado errado. A planilha da Estrada Real (ER) já sinaliza o equívoco mas mesmo com o informativo esse posicionamento gera muita dúvida. Como já era final de tarde, errar seria uma perda de tempo importantíssimo. Após o marco posicionado a 4,78km de Camargos, você deverá pegar à direita na estrada que é perpendicular.

O tempo fechava e a chuva já era quase uma realidade. A correria na saída de casa não me fez pensar que podia ter problema com chuvas. Minha mochila que carreguei nas costas, levava meu equipamento para filmagens (drone, câmeras, tripé, dentre outros) estava sem proteção para chuva e também não tinha levado na bagagem. Desespero que me fez acelerar com 18 quilos entre mochila e alforges. O resultado foram fortes câimbras! Foi a primeira vez que passei por situação semelhante e é uma dor descomunal!

Praticamente cai da bike quando as câimbras chegaram e por minha sorte, se aproximou um carro para me oferecer ajuda. Em uma estrada de terra, aquela hora, parecia algum enviado para me ajudar naquele momento de dor intensa e sem saber o que fazer. O carro dele levava uma carretinha. Não tive como recusar a carona oferecida até a entrada de seu sítio cerca de 4 quilômetros de onde eu estava, Foi a metade do que restava para chegar em Santa Rita Durão.

Pedalei com muita cautela os quatro quilômetros restantes até chegar no local onde passaria minha primeira noite.

Em Santa Rita Durão não há hotéis, pousadas ou qualquer coisa do gênero. Como não planejei, fui pego de surpresa. A solução foi alugar uma cama em um casarão antigo que a esposa do Miguel, proprietário de um bar com o mesmo nome. Sem restaurante e com o bar fechado o jeito foi fazer um lanche na única padaria da cidade.

Estrada Real

Ouro Preto

Estrada Real

Diamantina

 

Estrada Real

Marco próximo a Bento Rodriguês

Dia 2 – Santa Rita Durão à Barão de Cocais

Santa Rita Durão – Morro D´agua Quente (11,1km) – Catas Altas (6,9km) – Santa Bárbara (20,8km ) – Barão de Cocais (14,6km)

Total do Percurso: 53,4km

Já de pé as sete horas da manhã, lanche feito na mesma única padaria e bike na estrada. É um dia com visual muito bonito e muitas estradas legais. Vale pelo visual.

Logo cheguei em Catas Altas, já no último marco indicado na planilha da IER, você deve seguir à direita para ir até a praça principal da cidade. Catas Altas é uma cidade simpática com uma boa estrutura para receber os turistas. Foi meu primeiro carimbo no Passaporte da Estrada Real após o de Ouro Preto e Diamantina.

Parei para fazer um lanche e o tempo chuvoso atrapalhou os meus planos de conhecer mais a cidade e sair pelos pontos turísticos. Assim, segui para Santa Bárbara onde eu faria o almoço.

Este trecho é muito bonito e com alguns atrativos que sobressaem. Primeiramente é a vista maravilhosa que a Serra do Caraça ao fundo nos presenteia e também o Bicame de Pedra que é um aqueduto construído pelos escravos em 1792. Pedra a pedra sendo colocada a base de encaixe, com 4 metros de altura para levar água até as fazendas daquela região.

Cheguei em Santa Bárbara já cansado e com alguma dor na perna onde ocorreram as câimbras do dia anterior. Santa Bárbara foi uma importante cidade no ciclo do ouro e é datada de 1704. Possui algumas lindas igrejas centenárias. São elas: Matriz de Santo Antônio, N. s. das Mercês e Igreja do Rosário.

Resolvi fazer um almoço com calma e passear pelo centro da cidade. Realmente é uma linda cidade e suas igrejas também segue o mesmo padrão de beleza. Vale conhecer com mais calma! Como meu tempo sempre é curto, não pude apreciar com mais calma.

Depois de Santa Bárbara o trajeto fica mais plano e tranquilo. A beleza continua por todo lado e você pode pedalar com tranquilidade e uma incrível sensação de liberdade. O cenário ajuda! Tem um pequeno trecho em trilha para quem o faz de bicicleta. Fique atento à planilha para não se perder.

A ideia inicial (na verdade nem era tão inicial porque eu tinha pensado no mesmo dia) era dormir em Cocais. Se você estiver bem fisicamente ou quando for montar seu roteiro, inclua passar a noite em Cocais. Após Barão, há uma subida muito forte e em terreno complicado (contarei a seguir) mas a distância é pequena. Se o tempo não tivesse curto e algumas limitações físicas teria chegado até Cocais.

Estrada Real

Santa Rita Durão

 

Estrada Real

Catas Altas

 

Estrada Real

Visual pelo Caminho

Estrada Real

Bressame de pedras

Estrada Real

Santa Bárbara

Dia 3 – Barão de Cocais à Itambé de Mato Dentro

Barão de Cocais – Cocais (14km) – Bom Jesus do Amparo (25,5km) – Ipoema (13,6km) – Itambé do Mato Dentro (31,4km)

Total do Percurso: 84,5km

A saída do terceiro dia não foi das melhores. A marcação da estrada Real não é das melhores na saída de Barão de Cocais. O totten está localizando no encontro de uma venida com uma rua praticamente desconhecida. Não encontrei no gps pra se ter uma ideia. Mas seguindo uma possibilidade acabei, após cometer um erro, encontrando a saída para Cocais. Era muito cedo e não havia muitas pessoas na rua. E nos poucos casos em que perguntei me informavam que deveria sair pelo asfalto.

Também na saída da cidade, há uma obra de ampliação da estrada que ali passa. dois marcos caídos no chão dificultaram bastante. Ninguém para perguntar. Fui na sorte e acabou dando certo. Comecei a subir o trecho mais difícil de todo o caminho percorrido. A subida é de nível médio porém o terreno estava escorregadio pois tinha chovido muito, estava ventando muito na hora e os locais onde há calçamento, com muitas pedras soltas e que dificultava muito o controle da bike.

Naquele momento foi a primeira vez que pensei em desistir. Já estava cansado e com dores na pernas onde tive câimbras e mesmo com a beleza do local, estar naquele momento e com aquelas condições, me fizeram avaliar o projeto e interromper assim que pudesse.

Parei, descansei e comecei de novo. Parei novamente e descansei. Foram algumas vezes até chegar ao alto no morro. Tenho que confessar que não imaginava tamanha dificuldade (para meu nível técnico e físico). Comecei a descer e logo já estava em Cocais. A vista deste trecho é maravilhosa e quando começamos a avistar o vilarejo ela fica ainda mais estonteante.  Neste trecho no quilômetro 8,65 (segundo a planilha do IER). está o Sítio Arqueológico da Pedra Pintada. Um sítio onde estão pinturas rupestres com 6 mil anos.

Cheguei em Cocais e parei na pousada que me aconselharam a me hospedar se eu chegasse na noite anterior. Muito bonita e com pessoas gentis no atendimento. Fiquei aproximadamente 30 minutos conversando com a atendente sobre as pessoas que passam ali fazendo o roteiro da Estrada Real. A Pousada é Vila Cocais e foi onde carimbei meu passaporte. Tem outra possibilidade interessante de hospedagem, Pousada das Cores.

Saindo de Cocais, sentido Bom Jesus do Amparo, o trajeto fica mais tranquilo e sem muitas alternâncias de descidas e subidas. Passamos por plantações de café mas neste trecho tudo está muito bem sinalizado. De qualquer forma deve se ter muita atenção onde há o cruzamento com a BR 381. Os últimos seis quilômetros são em asfalto.

Em Bom Jesus do Amparo a atração fica por conta da igreja da matriz onde está a única imagem do Brasil de Jesus quando ainda era criança. Também não foi possível conhecer e vi esta informação no site do Instituto Estrada Real (IER).

Este trecho até Ipoema é em asfalto e gostoso de pedalar. E como são menos que 15 quilômetros passamos por este trecho sem muita dificuldade. É claro que nesta altura do campeonato minhas pernas já estavam desgastadas pela rotina de subidas e descidas do trajeto e com minha mochila nas costas trazendo um desgaste ainda maior.

Ipoema é conhecida pela atividade tropeira e fui conhecer o Museu da cidade que tem o tropeirismo como tema. Bem bacana. Lá também peguei meu carimbo da Estrada Real! Parei em um restaurante que também é uma pousada para comer e bater papo! Isso é gostoso de fazer nas Gerais.

Saí tarde de Ipoema sentido Itambé. Já estava tarde e comecei a ficar preocupado pois não tinha levado lanterna e restavam mais de 30 quilômetros até meu destino final. Trecho em asfalto mas com alguns aclives e declives que tornaram mais lento o trajeto. Não consegui chegar antes de anoitecer. Como já estava muito cansado, parei na escuridão da estrada e esperei por alguma carona restando 5 quilometros. Não demorou para conseguir carona com um senhor que estava em uma caminhonete.

Chegando em Itambé procurei por pousada e fiquei na Pousada Estrela, uma pousa simples mas que atendeu a todas as expectativas.

Estrada Real

Cocais

Estrada Real

Caminho

Estrada Real

Detalhes da Estrada

Dia 4 – Itambé de Mato Dentro à Conceição do Mato Dentro

Itambé do Mato Dentro – Morro do Pilar (35km) – Conceição do Mato Dentro (27,4km)

Total do Percurso: 62,4km

Comecei o dia com a mesma rotina. Acordei, fui na padaria para fazer um lanche já que no horário que saí não havia café da manhã na pousada. e Segui para Morro do Pillar. Na saída de Itambé, fizeram algumas intervenções na estrada de terra deixando com muita areia. Não conseguia me locomover durante vários quilometros. Tive que empurrar a bicicleta durante um grande percurso até conseguir que um caminhão me levasse por 10 quilômetros. Foi a sensação de estar tentando pedalar na areia da praia.

Foi difícil pedalar e me desgastei mais ainda nesse dia. Cheguei em Morro do Pilar e fui almoçar no agradável Restaurante Estrada Real. Curti bastante a comida também!

Descansei por quase uma hora e meia e segui viagem. Neste dia eu decidi que não continuaria. O combinado era encontrar com meus amigos em Conceição para seguirmos juntos até Diamantina mas optei por não continuar e abortar o projeto. Minha perna estava muito dolorida e os remédios já não estava mais resolvendo. Minha bicicleta começo a dar um problema na eixo central. Fazia muito barulho e o pedal ficou ainda mais pesado.

Pedalei por mais 17 quilômetros aproximadamente quando resolvi parar e esperar algum caminhão para  me levar pra cidade. Restavam ainda dez quilômetros e as câimbras começaram a querer aparecer. Não demorou muito para um caminhão parar e me levar para Conceição.

Procurei pela Pousada X que estava já reservada para ficarmos aquela noite. Informei aos meus amigos que não continuaria pois já estava esgotado e minha bicicleta já estava apresentando problemas. Cheguei na cidade e já carimbei meu passaporte. Na nossa conversa eles não me deixaram interromper me convencendo a continuar, levamos a bike para uma oficina e resolvemos o problema dela. Somente o problema dela, o meu ainda continuaria…

Dia 5 – Conceição do Mato Dentro à Serro

Conceição do Mato Dentro – Serro (62km)

Este quarto dia o dia mais tranquilo. Optamos por sair de Canceição e seguir a estrada principal até a cidade de Serro. Esta estrada faz parte do itinerário da Estrada Real em grande parte mas deixamos de desviar por algumas estradas que passavam por alguns vilarejos tais como Itapanhoacanga e Alvorada de Minas.

Como este trecho está em obras de asfaltamento, não vimos nada de interessante realmente. A beleza deveria ter ficados no caminho oficial que deixamos de fazer por conta do meu desgaste principalmente.

Pedalamos o dia inteiro até chegarmos na simpática cidade de Serro. Ficamos na Pousada X , carimbamos nosso passaporte e fomos jantar no gostoso Restaurante Y. A cidade agradável de Serro merece um tempo maior para conhecermos. Caminhar pelas suas ruas e conhecer um pouco de sua história e seu povo. Foi uma cidade que curti bastante conhecer. Retornarei com certeza!

Estrada Real

Serro

Estrada Real

Serro

Dia 6 – Serro à Diamantina

Serro – Milho Verde (23km) – São Gonçalo do Rio das Pedras (7,7km) – Diamantina (33,2km)

Total do Percurso: 63,9km

Último dia! Saberíamos que seria um dia muito pesado pois já tínhamos analisado a altimetria. Saímos de Serro sentido a milho Verde. Muita subida e a chuva complicava, mesmo todo o trajeto sendo asfalto. Lá do alto o visual é animador. Sem dúvidas uma das mais bonitas paisagens que vi pelo caminho. É claro que o tempo chuvoso pode ter escondido algumas belezas dessa rota mas provavelmente este trecho que se aproxima de Milho Verde é arrebatador.

Mas antes passamos pela cachoeira do Moinho. Muito legal e gostaríamos de ter ficado um tempo maior alí, descanso aos pés da queda d´agua mas tínhamos que continuar e não podíamos perder muito tempo.

Estrada Real

Cachoeira do Moinho

Seguimos por Milho Verde e passamos por ela com chuva, logo fomos para São Gonçalo. Esta cidade me supreendeu positivamente. Achei de uma beleza e algumas particularidades típicas de cidades históricas mineiras  quem mantém viva o cotidiano característico. Ainda almoçamos no Restaurante do Genilson. A comida posso dizer que foi divina em fogão lenha. Não comi em nenhum outro lugar comida igual. RECOMENDADÍSSIMO! E o pessoal é muito gente fina. Altos papos!

Estrada Real

Milho Verde

Estrada Real

São Gonçalo do Rio das Pedras

Estrada Real

São Gonçalo do Rio das Pedras

Com tanta “comelança” não consegui dar continuidade logo. Tive que esperar um pouco e ainda curti aquela deliciosa cidade. Parecia que já tinha chutado (novamente) o balde. Ainda tínhamos mais de 30 quilômetros pela frente e não queríamos sair de lá.

Voltamos ao pedal bem mais tarde do que o planejado. Uma descida linda e depois uma estrada tranquila com pouco tráfego e muita poeira. Depois de horas resolvi que daria pra continuar e fazer os últimos 10 km de carona. Foi o que fiz e cheguei em Diamantina as 18h.

Sobre o autor

Antonio JR

Sou um amante da natureza e de esportes outdoor. Corredor de montanha, sou um aficionado por trilhas e terrenos acidentados. Tenho um carinho por tudo que envolve arte e a música é outra atividade que me libera endorfina. Um apaixonado pelo mundo, acredito no poder transformador de cada viagem e com elas adquiro vivência e experiência para minha vida.

Deixe um comentário

--