Caraça Viagem em Família

Santuário do Caraça – Um complexo maravilhoso

Santuário do Caraça
Escrito por Antonio JR

Santuário do Caraça

Sempre me interessei pelas coisas de Minas Gerais. Morando em uma região mineira de rica cultura e tradição histórica, conheço um pouco da beleza que este estado tem pra mostrar e dos momentos agradáveis que ele também pode proporcionar.

Confesso que ainda tenho um grande caminho pela frente, conhecer mais, entrar mais a fundo nas questões históricas e sentir a cultura dessa terra que ainda conserva um estilo pitoresco e tradições que são passadas de geração em geração.

Um exemplo de que tenho muito que conhecer das belezas mineiras é o fato de ainda não ter visitado o Santuário do Caraça até este ano (2015). Minha viagem ao local só foi acontecer agora, em junho de 2015. Fiquei sabendo de uma corrida cross crountry que estaria pra acontecer. Amo correr e foi mais um bom motivo para aproveitar a oportunidade e passar o final de semana por lá.

Já conhecia sua história e as belas causos do local e não tenho como negar, o lugar mágico!

Como ir

O Santuário do Caraça é uma área de proteção ambiental. É um parque com mais de 11 mil hectares situado nos municípios de Catas Altas e Santa Bárbara. Está cerca de 120 quilômetros de Belo Horizonte.

De Belo Horizonte-MG para o Caraça (120 Km):

BR 381 sentido Vitória-ES até o trevo para Barão de Cocais – Santa Bárbara – Caraça. Seguir pela MG 436 via Barão de Cocais. Antes da cidade de Santa Bárbara, virar à direita para o Caraça.

De São Paulo-SP para o Caraça (700 Km):

BR 381 até Belo Horizonte-MG, continua sentido Vitória-ES até o trevo da MG 436, para Barão de Cocais – Santa Bárbara – Caraça. Seguir pela MG 436 via Barão de Cocais. Antes da cidade de Santa Bárbara, virar à direita para o Caraça.

Do Rio de Janeiro-RJ para o Caraça (500 Km):

BR 040 até Conselheiro Lafaiete-MG. Seguir para Ouro Branco – Ouro Preto – Mariana – Catas Altas. Seguir sentido Santa Bárbara – Caraça.

De Vitória-ES para o Caraça (500 Km):

BR 262 até João Monlevade-MG. Seguir pela BR 381, sentido Belo Horizonte-MG, até o trevo para Barão de Cocais – Santa Bárbara – Caraça. Seguir pela MG 436 via Barão de Cocais. Antes da cidade de Santa Bárbara, virar à direita para o Caraça.

Fonte: Site do Santuário do Caraça

O Caraça

Atualmente o Caraça é um centro de espiritualidade e missão, de cultura e educação, de conservação e preservação ambiental além de um local de lazer e turismo. o Caraça é uma das sete maravilhas da Estrada Real. Sobre seu nome há duas possíveis hipóteses: a primeira é sobre a aparência com uma grande cara na serra. Vi a mesma explicação para o nome da cidade de Carrancas, também nas Gerais onde fica muito mais evidente isso. Já a segunda que é a que eu mais acredito, é sobre um desfiladeiro que a Serra possui. Desfiladeiro em tupi guarani significa Caraça. É só minha simples opinião!

Santuário do Caraça

Portaria do Parque – Santuário do Caraça

Analisando sua posição de centro de espiritualidade e missão mantém a tradição bicentenária de um encontro com Deus. Ou seja, durante anos e até hoje, a grande maioria das pessoas que sobem a serra sentem-se mais próximas de Deus.

Santuário do Caraça

Vista aérea – Santuário do Caraça

O Caraça foi uma escola/seminário de padres, hoje ainda mantém essa missão atendendo muitas escolas e consequentemente muitos alunos em toda a região, além de ser palco para muitos pesquisadores pois no local possui um rica biblioteca, principalmente sobre sua história.

Santuário do Caraça

Santuário do Caraça

Santuário do Caraça

Santuário do Caraça

Além dos estudos sobre sua diversidade ecológica. O caraça também possui como objetivo ser uma área de proteção ambiental que inclusive está protegida por leis federais, estaduais e municipais.

O Complexo

Além de tudo que foi citado acima o Caraça recebe hoje cerca de 70 mil visitantes durante todo o ano sendo mais de 15 mil hóspedes. O complexo também conta com uma pousada que mantém a tradição da época do colégio. Os móveis e objetos de decoração estão bem conservados. Estes quartos simples se mantém como na época dos estudantes ali dormiam. Se você procura conforto esse talvez não seja um lugar pra você. Um restaurante serve uma gostosa comida mineira em fogão de lenha. Deliciosa! Ainda possui uma lanchonete e uma lojinha de artesanato para também atender aos visitantes passantes.

Santuário do Caraça

Comida típica mineira no fogão à lenha – Santuário do Caraça

Como eu disse, o Caraça não é pra quem tem foco em conforto ou requinte, o grande charme  na minha opinião. É um local tradicional que respira história e mostra história. No museu que o complexo também possui estão as marcas de um incêndio que ocorreu em 1966. Parte da construção veio abaixo, sem nenhuma vítima, exceto o próprio colégio que teve suas atividades encerradas. As paredes quebradas ainda tonalizadas de carvão representam bem a triste situação vivida na época.

Santuário do Caraça

Marcas do incêndio – Santuário do Caraça

Na chegada, na parte esquerda tem uma escadaria que leva ao “Passos de Cristo” é um local super bacana e tem um visual da Igreja fantástico! vale subir os degraus!

Santuário do Caraça

Um dos “Passos de Cristo” – Santuário do Caraça

Santuário do Caraça

Um dos “Passos de Cristo” – Santuário do Caraça

A Igreja de Nossa Senhora Mãe dos Homens, construída entre 1876 a 1883 em substituição de uma Ermida construída inicialmente, dá mais um charme ao local. Sua construção neogótica é equilibrada com todo restante. Foi a primeira construção neste estilo do Brasil. Mostra sua imponência já pra quem se aproxima do parque. Antes mesmo de chegarmos já podemos visualizá-la de longe.

No Caraça você pode visitar duas Cachoeiras: A Cascatinha que está a 2 quilômetros da sede com saída pelo estacionamento. Trilha simples e fácil. E a Cascatona que já está a 6 quilômetros saindo pela ladeira da Casa dos Sampaias. Só conheci a primeira pois não estávamos hospedados e com uma criança de 2 anos.

A surpresa

O Caraça ainda reserva uma grande surpresa. Não estou falando do belíssimo pôr do sol que pode ser visto estando por lá mas sim de um visitante ilustre, o logo-guará.

Não fiquei hospedado e existe regras para os visitantes. Quando me inscrevi para a corrida, a pousada já estava lotada e somente meus amigos que já estavam com reservas de longa data, ficaram hospedados. Nesta época do cross country a ocupação total é atingida facilmente e uma reserva bem antecipada deve ser feita.

Durante a noite, os padres trazem alimentos para que o lobo-guará seja atraído. É um ritual que infelizmente não pude presenciar. Nem meus amigos, pois nesta noite o lobo também se fez ausente.

Dica Bônus:

O Caraça pode ser um local bem legal para levar seu filho. O meu adorou! Brincou, correu e ficou extremamente curioso com tudo que via. Acredito que durante a noite ele também adoraria ver o lobo caso se mantivesse visto pois o ” de mentirinha” que estava pousada, ele amou!

Santuário do Caraça

brincadeiras nos jardins do Caraça – Santuário do Caraça

Santuário do Caraça

Observando tudo – Santuário do Caraça

Santuário do Caraça

Lobo-guará de mentirinha da pousada – Santuário do Caraça

Onde ficar caso não tenha vaga na pousada

Desde a entrada do parque até o santuário são 13 quilômetros. OU seja, não tem como ir e vir a pé quando se está hospedado fora do parque. O jeito é utilizar um veículo mesmo.

Há 300 metros da entrada do parque, em uma saída à esquerda, está a pousada Pico do Sol. É uma simples mas interessante opção. O local é agradável e os quartos também atendem muito bem pela proposta.

Veja mais fotos do Santuário do Caraça

 

Sobre o autor

Antonio JR

Sou um amante da natureza e de esportes outdoor. Corredor de montanha, sou um aficionado por trilhas e terrenos acidentados. Tenho um carinho por tudo que envolve arte e a música é outra atividade que me libera endorfina. Um apaixonado pelo mundo, acredito no poder transformador de cada viagem e com elas adquiro vivência e experiência para minha vida.

5 Comentários

  • Visitei o Caraça em uma viagem da faculdade séculos atrás hehehe, aproveitamos pra fazer trilhas, mas não dormimos, só passamos o dia e depois voltamos pra Ouro Preto. Um dos meus bisavôs estudou no colégio interno que tinha lá!!!

  • Frequentei o Caraça, junto com minha família, “n” vezes e sempre com um deslumbramento crescente – inclusive tenho ligação de parentesco com falecido Pe. Tobias. Agora, sem pernoitar lá , principalmente no inverno com aquele friozinho noturno, a pipoca, o chá e ,naturalmente o lobo guará, fica totalmente pela metade a viagem. Como diz a propaganda, “não tem preço”.

  • Celso, um tanto tardiamente leio seu cometário sobre o Caraça e, como ex-aluno, me permito dar-lhe algumas dicas: se voltar ao santuário, não deixe de ir ao Mirante Número Dois (o caminho é horrível!), de onde se tem uma visão ampla do vale e das montanhas (a entrada é na Piscina dos Apostólicos, logo após a Bela Vista), e vale a pena visitar o Banho do Belchior pela placidez do lugar e pela beleza do caminho.

Deixe um comentário

--